SIGA-NOS POR EMAIL:

terça-feira, 28 de julho de 2015

O PINTOR MAHMOUD FARSHCHIAN:





Mahmoud Farshchian nasceu em 24 de janeiro de 1930, na cidade de Isfahan no Irão. O seu pai, um comerciante de tapetes, era também um aficionado pelas artes tendo-lhe incutido essa paixão, encorajando e apoiando o seu interesse pela arte, que começou a despertar em Mahmoud ainda muito jovem.









Estudou sob a tutela de Haji Mirza-Agha Emami e Isa Bahadori durante vários anos. Depois de se formar na Academia de Belas Artes de Isfahan, partiu para a Europa, onde estudou as obras dos grandes mestres da pintura ocidental. Desenvolveu um estilo artístico inovador com apelo universal.







Após o seu regresso ao Irão, começou a trabalhar no Instituto Nacional de Belas Artes tendo sido posteriormente nomeado diretor do Departamento de Artes Nacionais e professor da Universidade da Faculdade de Teerão de Belas Artes.








Mudou-se mais tarde para os Estados Unidos residindo atualmente na área metropolitana de Nova York.








As suas obras são uma composição encantadora de nobreza e inovação, sendo baseadas em sentimentos e estados de espírito humanos, que aparecem de forma mais eficaz em rostos e figuras graciosas. Os seus temas são cultivados a partir de poesia clássica, literatura, do Corão, de livros sagrados judaicos, bem como da sua própria imaginação.






O Mestre Farshchian, alcançou um estilo distinto e criou uma escola própria na pintura.








As suas obras estão representadas em diversos museus e coleções importantes em todo o mundo. Recebeu vários prémios ao longo da sua vida, incluindo um doutorado em artes plásticas.
Para mais informações sobre a vida e obra deste extraordinário artista, visite o seu site oficial: “Mahmoud Farshchian





Fontes e Fotos: Wikipedia; www.farshchianart.com; outros net.
http://algarve-saibamais.blogspot.pt/2014/10/o-pintor-mahmoud-farsh...

segunda-feira, 6 de julho de 2015

MAQUIAGEM ÁRABE:


Ok gente hoje nós vamos falar sobre maquiagem árabe. Aqueles olhos bem marcados com delineador, ou até mesmo aquela sombra esfumaçada... Resumindo maquiagem árabe é linda !
O texto a seguir, retirei da revista "Dança do ventre - Aprenda com Lulu Sabongi a magia da dança oriental"
A revista é um pouco antiga (eu acho) e é difícil de achar. Só as fotos é que eu retirei da internet. Então vamos lá:

"Uma bailarina bem maquiada faz toda a diferença no espetáculo de dança do ventre. Siga as dicas e torne sua apresentação ainda mais bela." - Por Vera Moreira Rodrigues.

O estilo de maquiagem árabe se tornou conhecido ao longo dos anos pela sua dramaticidade nos olhos e lábios. Porém seu significado cultural está bem além de simplesmente embelezar a mulher. É uma forma também de expressão, visto que na religião muçulmana, predominante entre os povos árabes, o corpo da mulher é praticamente todo coberto, sendo permitida a exposição apenas dos rostos e das mãos. Por esse motivo, as mulheres árabes tem o hábito de maquiar o rosto e, principalmente os olhos de forma bem dramática, pois para algumas é a única forma de vaidade permitida.














Os olhos: Exerça a Mágica
A combinação da cor dos olhos com as cores utilizadas na maquiagem é certamente o diferencial de perfeição. Para as mulheres de olhos azuis, as cores mais indicadas são bronze, dourado e marrom. As mulheres de olhos acinzentados devem utilizar cores mais próximas do azul, lilás, grafite ou preto. Quem tem olhos verdes pode optar pelos roxos e rosas. A beleza das mulheres de olhos castanhos é realçada com as cores prata, bronze, cobre, verde, laranja, azul, lilás e preto. Os olhos cor de mel ficam melhores com sombras douradas, verdes ou salmão.
Quando for usar uma sombra de cor vibrante procure não esfumá-la para não correr o risco de deixar o olhar muito carregado. Se optar em usar cores neutras (tons de azul, preto, branco, e creme) procure combiná-la com outro tom, fazendo um degradê com essas duas cores, sempre deixando a cor mais escura para aplicar no canto extremo dos olhos e a mais clara no canto interno e próximo à sobrancelha iluminada e realça o olhar.







O delineador

Há mais de 2000 anos os povos do oriente Médio criaram uma mistura à base de carvão, henna e outros resíduos naturais.
Essa mistura foi batizada com o nome de khol. Sua função era proteger os olhos de impurezas e infecções, e em algumas castas da Índia e do Egito o produto era utilizado até por bebês e por crianças. Houve também status e glamour para o uso do khol: ele era utilizado pelos faraós do Egito como um simbolo de poder e respeito. A composição do khol evoluiu e hoje grandes empresas de cosméticos criaram produtos similares com grande poder de pigmentação e fixação. Ainda assim, alguns povos beduínos continuam fazendo o khol caseiro, com manteiga de guee e fuligem de lampião. O khol é o responsável pela característica principal da maquiagem árabe: o preto intenso.
A versão ocidental do khol é o delineador. Ele valoriza o formato dos olhos e intensifica o olhar. Lápis preto, delineadores líquidos, cremosos ou em formato de caneta, todos garantem a dramaticidade necessária para uma maquiagem genuinamente árabe.
Mas atenção! Diferente do que pensam as ocidentais, que associam a imagem da maquiagem árabe à Rainha Cleópatra, imortalizada por Elizabeth Taylor no cinema, o delineador serve para valorizar o formato dos olhos. Portanto, nada de puxar o delineador em direção à raiz dos cabelos! Faça o traço até um pouco além da linha dos cílios superiores.














Elizabeth Taylor:









Sobrancelhas perfeitas e acabamento da maquiagem
As sobrancelhas são a moldura dos olhos. Diante disso, não poderiam ser deixadas de lado na composição de uma maquiagem bem elaborada. É importante retirar o excesso de pelos e deixar os fios bem aparados para um desenho perfeito. Existem produtos específicos para sobrancelhas disponíveis no mercado, como lápis ou gel, porém é possível obter um resultado bem satisfatório utilizando apenas um pincel chanfrado e uma sombra marrom opaca. Para fixar use um rímel transparente.
Como a ênfase da maquiagem árabe está nos olhos, as demais do rosto são finalizadas de forma elegante e discreta. Sobre a pele perfeita é aplicada uma camada fina de blush, de preferência rosa ou pêssego, e na boca uma cor discreta ou apenas um gloss para hidratar os lábios.
O poeta Khalil Gibran imortalizou a frase "Quem não sabe aceitar as pequenas falhas das mulheres não aproveitará suas grandes virtudes". Mas garanto que, na maquiagem, as falhas estão diminuindo cada vez mais.


*Vera moreira Rodrigues é maquiadora especializada em caracterização árabe e desde 2004 pesquisa sobre música, dança e cultura árabe.



FONTE. CANTINHO DA SAMIRA

quarta-feira, 24 de junho de 2015

ZAGHAREET, SARGUTA OU O FAMOSO GRITINHO ÁRABE!!!

Quem nunca tentou reproduzir os gritinhos agudos de “lalalalala” e “lililililili” em apresentações animadas de dança? Pois é, este som é conhecido por “zaghareet”ou “zaghrouta” em países árabes e “kel”, “salguta” ou “sarguta” no Irã.

Na origem, lá na antiguidade egípcia, era um grito proferido por mulheres para despedirem-se ou receberem seus maridos quando partiam ou chegavam da guerra. Agora, é usado como uma celebração, animando apresentações e eventos alegres como casamentos.
Nem todos, porém, conseguem reproduzir o som, que exige um pouco de prática. Quer experimentar, siga algumas dicas e assista ao vídeo selecionado:
– evite movimentar a mandíbula; o som é feito dentro da boca;
– sempre cubra a boca com um ou dois dedos, a mão esconderá o movimento da língua;
– faça movimentos passeando a língua de um lado para o outro entre seus dentes e lábios;
A ideia é dizer o nome do deus egípcio Ra de maneira ágil e, assim, os sons “r” e “a” tornam-se fluidos e, praticamente, uma tonalidade só. Vamos tentar?

domingo, 21 de junho de 2015

BEDUÍNOS - ALFABETO ÁRABE:




BEDUÍNOS / ALFABETO ÁRABE




PASTORES DE MÃO ARMADA

Os beduínos vivem de suas ovelhas, mas por muito tempo sustentaram-se com o assalto a caravanas. Até hoje, exibem orgulhosos seus revólveres. Há beduínos nômades autênticos e há beduínos para consumo turístico. É inevitável encontrar estes últimos em vários países árabes: falam inglês, cercam-se de camelos, dançam até cair e não se movem nem 10 metros. Os autênticos, no entanto, é preciso procurá-los. E vivem num mundo muito menos romântico, onde abundam as moscas, as armas e os maus-tratos às mulheres. Não falam nem uma palavra de inglês, não dançam e já faz muito tempo que trocaram os folclóricos camelos por robustos caminhões. Cada vez restam menos nômades autênticos. Calcula-se que no norte da África e no Oriente Médio existam de 8 a 10 milhões de beduínos, dos quais apenas entre 5 e 10 por cento praticam o nomadismo. O resto se estabeleceu de forma definitiva - os chamados

SOCIEDADE MACHISTA

No clã de Hamud al Obait,são as mulheres que trabalham. Os homens ficam na tenda,bebendo e conversando. Fellahin, beduínos agricultores - ou é seminômade. Para os beduínos, orgulhosos de sua liberdade, sempre foi uma vergonha ter um emprego assalariado. Porém, com o boom do petróleo nos anos 60 e 70, muitos aceitaram lugares nessa indústria. Os governos do Oriente Médio, além disso, lutam contra o nomadismo. Muitos Estados autoritários não gostam de ter indivíduos extremamente móveis. Alguns até desenvolveram planos de sedentarização, entregando terras para calar os beduínos.

*Matéria publicada na edição #133 da revista Os Caminhos da Terra.




ALFABETO ÁRABE




Apareceu no século IV, ao mesmo tempo na Mesopotâmia e no Hedjaz, região da Península Arábica ao logo do mar Vermelho. Das diferentes formas de escrita desenvolvidas nessa região, foi a variedade nashki, usada a partir do século X em Meca e Medina, que serviu de modelo a todas as escritas árabes modernas. A expansão islâmica dos séculos VII e VIII difundiu o alfabeto árabe desde a Espanha até a Ásia. Escrito da direita para a esquerda, tem 28 consoantes. Depois do século VIIII, foram adotados alguns sinais gráficos, usados até hoje, para distinguir os caracteres semelhantes.

Língua árabe

Segundo os historiadores, o idioma árabe era apenas falado no início, não era escrito. Originou-se na Arábia (atual Arábia Saudita), mais precisamente no sul, onde está atualmente a República do Iêmen.

A língua árabe contém vinte e oito letras, das quais, algumas não se traduzem para outros idiomas, em virtude das próprias fonéticas. Vale ressaltar que a língua árabe se escreve da direita para a esquerda, e não pode ser escrita com letra de formam as palavras são ligadas por letras minúsculas.

Pesquisadores afirmam também que durante milhares de anos, ela foi desenvolvendo-se, aperfeiçoando-se até a forma atual, cuja perfeição máxima estaria contida no Sagrado Alcorão. Esse idioma é mantido através do Islã, que constitui o mundo árabe da forma como é conhecida atualmente. Quando os muçulmanos dominaram a maior parte do mundo antigo (Ásia, Europa e África), a língua falada ressentiu-se com a fusão de outros idiomas; daí, a razão da existência de vários sotaques no mundo árabe. Cada país praticamente, hoje tem um árabe chamado popular, pois é falado, nas ruas, nas feiras, no dia a dia do cidadão, e o árabe clássico.

O árabe clássico, comum a todos os países, é usado nos meios de comunicação, nas escolas, é a forma gramatical mais correta.

Diversos estudos apontam a influência do idioma árabe sobre a língua portuguesa, como mostram os trechos abaixo:

“A língua portuguesa é uma língua neolatina, formada da mistura de muito latim vulgar e mais a influência árabe e das tribos que viviam na região. Apesar de ter sua origem altamente conectada a outra língua (o galego), o português é uma língua própria e independente. Apesar da influência dos tempos tê-la alterado, adicionando vocábulos franceses, ingleses, espanhóis e únicos, ela ainda tem sua identidade única, apesar de não ter a força que tinha no seu ápice, quando era quase tão difundida como agora é o inglês”.


“Não é por acaso que inúmeros idiomas sofreram a influência da cultura árabe, inclusive o português. Situados a meio caminho entre Ocidente e Oriente, e estimulados por uma religião que incentiva seus seguidores a procurarem pelo mundo as manifestações divinas, os povos árabes tiveram papel fundamental no recolhimento, na interpretação e na transmissão até nossos dias das principais obras tanto da Grécia Clássica como da China e da Índia .

A obra de Aristóteles, por exemplo, chegou aos nossos dias graças ao filósofo maghrebino Ibn Rushd (Averróes); já os textos de Ibn Sînâ (Avicena) sintetizaram as idéias de Platão e Aristóteles. Os próprios algarismos foram desenvolvidos na Índia, mas chegaram ao Ocidente como fruto do interesse dos árabes pelas ciências e pela cultura de outros povos. Durante séculos, obras de inúmeras culturas foram traduzidas para o árabe, que por isso (e com isso) evoluiu e acabou por ostentar depois o papel de língua culta preferida pelos pensadores de várias épocas. Mesmo instrumentos como a bússola e o astrolábio, ou o papel chinês, só chegaram ao Ocidente por meio dos povos árabes.”


Segundo o professor de língua portuguesa Cláudio Moreno, os árabes, na sua permanência de sete séculos na Península Ibérica, contribuíram para o léxico do Português e do Espanhol com centenas de vocábulos. Um grande número dessas palavras começa pela letra "A": almôndega, alfândega, almofada, açougue, açúcar, açude, aldeia, alface, algema, algodão, alicerce, alvará, alquimia, arrabalde, alfaiate, arroz, azeite, entre muitas outras. A razão disso é que "al" é o artigo definido do Árabe e nossos antepassados incorporaram essa partícula nas palavras que ouviam, sem ter a consciência de sua natureza de artigo. Isso fica claro quando comparamos nosso "A çúcar" e nosso "AL godão" com o sugar e o cotton do Inglês, o sucre e o coton do Francês, e o zucchero e o cotone do Italiano, línguas que nunca estiveram em contato direto com os povos árabes. Moreno apresenta uma lista de outras palavras que têm sua origem no idioma árabe, conforme tabela a seguir:
balde
garrafa
naipe
tâmara
bisnaga
gazela
oxalá
tambor
bórax
gengibre quilate
tarefa
bugio
gergelim
quintal
tarifa
cabide
girafa
rabeca
tarimba
café giz
recife
tarrafa
califa
haxixe
redoma
toldo
caravana
javali
refém
xadrez carmesin
lacrau
rês
xale
cenoura
laranja
saguão
xeque
chafariz
leilão
sapato xerife
cifra
lima, limão
sarrafo
zênite
elixir
marfim
sorvete
zero
enxaqueca
masmorra tabefe
enxoval
musselina
tagarela
gaita
nababo
talco








GLOSSÁRIO ( Vocábulos em que se explicam palavras de significação obscura )




A seguir, algumas palavras em Árabe, e sua tradução em português. Foram extraídas do livro de ANA MIRANDA , entitulado "AMRIK" que quer dizer "América".
Letra "A"

abássida = membro da dinastia de califas, que causou profundas mudanças no mundo muçulmano entre os séculos VIII e IX.
Adrar = as moças de Adrar; citadas em O jardim das Carícias - de Rejb ben Sahli.
Ahlan wa sahlan wa marhaban, trushidta = frase de Boas Vindas, significando : Esteja à vontade, Esta casa é sua.
Ainar = infusão d e canela, anis,nozes e outros ingredientes; servida na ocasião do nascimento de um filho.
AL-INSAN M'ÁRRAD LIN-NESSYAN = Provérbio, significando: O ser humano está exposto ao esquecimento.
Aljamas = nome dado às comunidades dos mouros no Reino sujeitas ao soberano português, governadas por alcaide.
Al nahal = Dança da abelha; citada por Fleubert e por Richard Fancis Burton; uma dança perdida da qual apenas o nome sobrevive; com gritos agudos para indicar que uma abelha entrou em sua roupa, a dançarina tira a peça por peça toda sua vestimenta.
Ambaris ou Ambariss = bolinhas de coalhada seca, conservadas no azeite.
Amir, ou Amyr, ou Emir = Príncepe
Amthal, ou Mathal = Plural da palavra "provérbio"
Anyra = Citada em O Jarduim das Carícias - de Rejeb bem Sahli
ÁRAK = Bebida alcoólica destilada de uvas e aromatizadas com Anis.
Arifa = Empregada doméstica, criada.
As salâmo ä-leikom = a paz esteja com vocês
Ataifes, ou ataif = Crepes com recheio de nata(ataife b'achta), ou de nozes (ataife b'jauz).
Auwámat = Doce de bolinhas fritas de massa embebidas em xarope.
Aziza = Dançarina núbia que impressionava a platéia devido ao mover da cabeça para um lado e para outro de forma atípica, como se ela estivesse para ser decapitada.

Letra "B"


Babahanuche, ou babaghnnuj, ou bagaranuch, ou babaganuj = Pasta ou patê, feito de Berinjela assada com molho de Tahine.
Báhida = Seguidor dos sultões do Rio Nilo, os bahri
Baladi, ou Raks al-baladi = Dança popular, forma tradicional da dança solo feminina; os baladi são membros de família bérbere ou árabe estabelecida na Península
Balkh, ou Khulane = Ameixas de Balkh, pêssegos de Khulane, ingredientes citados no manual de cozinha de Mohamed al-Baghdali.
Bazin = Espécie de tecido.
Beleue = Massa folheada recheada com nozes e recorta por xarope.
Bestêmia = Blasfêmia; tirar bestêmia, blasfemar.
Bika'a, ou Bekaa = famoso Vale que ocupa a parte oriental do Líbano
Biscotatelas = Pão cozido diversas vezes, como biscoito, muito cobiçado nas viagens dos imigrantes.

Letra "C"


Cawadija = Senhor.
Cedro de Dahr Al-Kadib = O cedro é o símbolo do Líbano; Árvore Bíblica citada por Salomão, muito sólida e geométrica, de grande beleza, é um símbolo poético da natureza, da vocação, do destino, da mobilidade e da imobilidade.
Cengi = Dançarina turca; palavra derivada de cingene, cigana.
Chanclich = Queijo temperado.
Chibuque = Cachimbo.
Chich bárak, ou chuch bárak = Pasteiszinhos recheados, na coalhada.
Chihhat = Dançarina do Marrocos, entertainer nas festividades familiares em aldeias.
Concurso Bezerril = Depois de uma noite boêmia, os estudantes da Academia de Direito promoviam um concurso cujo vencedor era quem bebesse mais leite tirado na hora.
Cabus = Quitute vendido nas Ruas (inclusive em São Paulo)
Cucagna = Uma forma inesperada.
Letra "D"


Daff = Tambor de mão egípcio coberto com pele de peixe.
Dár = Domínio da propriedade, terras.
Dibs Rumman = Xarope de suco da Romã, para dar sabor ácido a alguns pratos árabe
Djellaba = roupa masculina, justa no corpo, com capuz.

Letra "F"


Fairine = Erva selvagem da região montanhosa do Líbano, usada na culinária
Faludaj = Empada à base de mel e de amido.
Faná - desaparecimento, caráter efêmero, nada.
Fasulia, ou Fossulha = Feijão branco.
Fatayer = Esfiha fechada.
Fatayer b'arich = Pastel de coalhada seca.
Fatuchi, ou fattouch, ou fatuch = Salada aldeã, de verduras com pão torrado, ou de uvas com pepino.
Fellah, ou Felá = Lavrador; camponês da montanha; caipira.
Friante escurante = Paródia à língua árabe que, em vez de : Você gostou? diz: Você gostante?
Fustuk halabi = Pistache, semente do deserto, para aperitivo.

Letra "G"


Gargabus = Dança cerimonial argelina.
Ghandura = Vestimenta, uma espécie de túnica sem mangas que os árabes usam sob o albornoz.
Ghawazee = Plural de Gházya; a palavra Egípcia significa invasoras, ou marginais com conotação de viver às margens da sociedade.
Ghazala = Gazela; mulher bela; ou Ftna, palavra árabe que designa ao mesmo tempo a mulher bela e o caos.
Guaraibe, ou ghraibe, ou ghraib, ou mantecal = Bolinha de manteiga com farinha de trigo, enfeitada com pitache.
Letra "H"


Habt el hel, ou habbat el hêl = Cardamomo, semente de origem indiana, de delicado aroma, para temperar pratos salgados ou aromatizar café.
Hailum, ou Hardmana = erva selvagem da região montanhosa do Líbano, usada na alimentação.
Harísse,l ou Hycet, ou rarice = Doce de semolina
Hendbi = Chicória, ou escarola.
Hifeine = erva selvagem do Líbano, usada na culinária.
Hital - Lua nova, ou crescente.
Hommus, ou Homus = Pata de grão-de-bico com tahine.
Hoochie koochie = Nome para dança do ventre.



Letra "I"


IBLIS = Nome islâmico do Diabo.
Inna fy assama'i lakhabara! Ua ínna fy lardi la'ibara = versos do orador e poeta Ouss Ibn-Sa'idah = em que convida a uma reflexão sobre a condição efêmera do ser humano; um dos textos mais antigos da literatura árabe, recitado há mais de mil e quinhentos anos; "Com certeza há no Céu prenúncios/ e com certeza há na Terra Lições."
Inti helwa ( quando nos dirigimos à uma moça ou senhora) = Você é doce Frase usada para estimular a performance da solista dançarina.
Inthora = Um móvel esplêndido e único em todo o universo com as cento e vinte imagens da posições de amor descritas no livro "Canto dos Loucos Prazeres" de Al-Bashramar.
Ismah lana nashufak = expressão usada na despedida, significa: Permita-me vê-lo novamente.

Letra "J"


Java = Café ; ponto de reunião boêmia.
Jins, ou Djins + serers hostis, que representam a natureza insubmissa, terrorista do deserto e da vida selvagem.
Letra "K"


Kafta, ou cafta = Espetinhos, como croquetes, de carne moída. Muito conhecida na culinária árabe.
Kahk b'halib = roscas de leite, preparadas nas festas religiosas, como a Páscoa.
Kanon, ou kanoon = Instrumento de cordas, predecessor da harpa e do piano.
Khara khara lala al-fárat = Provérbio significando que uma pessoa nunca deixará seu modo vil; vil mesmo depois de atravessar o Eufrates
Kharakânidas = Bárbaros das estepes.
Kichk, ou kishk = Farinha alva feita de trigo com coalhada.
Krawia = Cominho armênio, ou alcaravia, usado para doces.
Kuss, ou Kossah = Órgão sexual feminino (chulo)
Kutchuk Hanen = Pequena princesa, nome dado à bailarina Safiya, a mais celebrada dançarina do seu tempo.

Letra "L"


Laban = Coalhada fresca ( laban bikiar ou khiar b'laban, é coalhada fresca com pepino).
Laf daf hab = Fragmento de uma encantação que uma moça recita para despertar a paixão louca num homem, olhando o surgir da estrela Vênus numa sexta-feira
Lahme naiee = Carne crua temperada.

Letra "M"

Maa al zahr = Água de flor de laranjeira.
Máçal kheir = boa noite
Mâdrassa = Escola
Madrasa = instituição de ensino superior.
Mahdia = Pecadora
Máhlab, ou mahleb = Grão que se encontra dentro da semente da cerejeira, usada em pó np preparo de doces árabes.
Mahmoul b'tamar = Bolinhas de massa com recheio te Tâmara.
Mahtab = Raio de luar
Majnum = Pessoa possuída, louca. ( em Suez nós dizíamos : magnuna).
Marabu = Ave que vive a beira da água, dorme nas árvores e cumprimenta seus amigos batendo o bico.
Marabutos = Eremitas santos.
Mahabruk = Parabéns
Marchuchi = Salada de alface, pepino, tahine e outros ingredientes.
Marhba = Bem vindo, Olá.
Matchal = Provérbio, os provérbios são fartamente usados pelos árabes.
Mauud = Doce de abóbora.
Melquita = comunidade étnico-religiosa cristã.
Mezze, ou Al -mazza = entrada
Mhamasa, ou muhâmassa = Carne moída preparada com snúbar. (Snúbar fruto do pinheiro)
Mhammare, ou mhammara = Pasta de pimentão vermelho.
Michui = Carne assada.
Min fadlika = Por favor.
Mulukhiya = Verdura de folhas longas, que tem uma baba como o quiabo; ou o molho feito com essa verdura.
Mufaise de ashma = Gordura d e vaca.
Mufarraki = Salada de batata.
Mujadara, ou mjadra, ou mjadara = Arroz com lentilha.
Mukhannath = Efeminado, nome dado aos músicos que substituíam as mulheres na dança depois que elas eram fechadas no harém.
Mutrube = Dançarina cortesã, prostituta.
Mut Cháker Mênniom Hál-La/is-Sa = agradecido desde agora.
"N"


Nagel = Confeitaria familiar, na Rua Quinze.
Nái = Flauta árabe feita d e bambu.
Nasnas = entidade com uma perna, um braço e metade da cabeça
Nátef = Doce de claras em neve com pistache, aromatizada com água-de- rosas.
Nebrina, ou lebrina = Neblina.
Niqáb = Véu usado pelas mulheres, que cobre totalmente o rosto.

Letra "O"


Okke, ou oquié = Medida de peso usada n o Egito, corresponde a aproximadamente 37 gramas.

Letra "P"


Padã-arã = Cidade citada na Bíblia, onde teria nascido o Arameu pai de Rebeca casada com Isaque.
Pantaletas = Calças longas usadas por baixo das anáguas, geralmente por meninas.

Letra "Q"


Qamar = Lua cheia, também designa pessoa de beleza estonteante.
Qubul = Desejo sexual.
Quibe bi hili = Quibe de batata.
Quibe naye = Quibe cru

Letra "R"


Raha = Doce gomoso.
Rakakat = Folhado com recheios diversos, tais como queijo, espinafre.
Rakham = Ave, espécie de abutre.
Ralã = Expressão de desprezo, abandono.
Reque = Tamborim egípcio.
Roz bi halíb, ou Roz be haleb = Arroz doce.
Rubaiyat = Plural de Rubay - "quadras

Letra "S"


Sadik = Amigo, pessoa digna d e confiança
Sagat = Instrumento musical, címbalos de dedos.
Sahlab = Ladrão, personagem de As mil e uma noites.
Sahtain, alal al bak = Cumprimento e resposta ditos à refeição, significando Saúde duplamente, pára o seu coração.
Sammem mufaise, ou Samneh ou samé = Manteiga derretida, conserva d e manteiga.
Samum , ou simum = Vento da terra, ardente e temido.
Sath = Espécie d e varanda sobre o telhado da casa, muito usado pelas mulheres para atividades domésticas; Terraço.
Sawád = Noite negra.
Schortz = Café , ponto de encontro boêmio.
Shour = Ritual de magia ligado a manipulações astrológicas.
Smallah! = Interjeição de espanto, admiração, misto de reza e louvor.
Snúbar = Fruto de pinheiro nativo da região do Mediterrâneo, caríssimo e de sabor inigualável, usado nos pratos árabes recheados e nos quibes .
Sumac = planta de cujo fruto se obtém um pó vermelho e ácido.
Súrata = Cada capítulo do Corão, em árabe chamados Sura (plural=Suwar) significando revelações, ou conjunto de revelações.

Letra "T"


Tabule = Salada de trigo com vegetais.
Tanur = Forno coletivo para se fazer pão, usado pelas mulheres.
Taqbirny = Manifestação de carinho, - significando: Enterre-me, ou seja, Não poderia viver sem você.
Trance = Dança para banir os espíritos maléficos, para descarregar energias negativas e criar clima de calma e bem estar.
Türük = Variante de Turco, nome dado originalmente para os pastores nômades na Ásia Central.
Letra "U"
Ukab = Ave. espécie d e abutre.
Urá = Pão doce.
Letra "V"


nada a declarar.......

Letra "X"


Xárab muátar = Refresco perfumado.
Xecrie = Carne de carneiro na coalhada.
Xipaton = Chefe.

Letra "Y"


Ya cemil = Nome de antiga música árabe, de autoria ignorada.
Ya lilli ya aini = ò você que é meus olhos - frase para estimular performance de dançarina.
Ya noori = `{o voc~e que é minha luz
You you you you... Aquele canto de alegria que as mulheres entoam nos acontecimentos felizes, desde nascimentos até o simples término de um trabalho manual.

Letra "Z"


Zaar = Dança cerimonial, segurelha, orégano sírio.


Colaboração do Theodoro




O IDIOMA NATIVO (ÁRABE) DA FAIXA DE GAZA




1 - NÚMEROS


1

Uahd / Uáhad


2

Essenan / Tnin


3

Seleta / Teléta


4

Arbah / Arbá


5

Hamissa / Hâmsa


6

Setah / Séta


7

Sabah / Tésa


8

Samania / Tamârtia


9

Téssar / Tésa


10

Archara / Uáshara


11

Uahd a archara


12

Essenan archara


13

Seleta archara


14

Arbaht a archara


15

Hamissa at arcahara


16

Setah árchara


17

Sabah at archara


18

Samania at archara


19

Tessar a archara


20

Archrunne


21

Uahd archruime


30

Selessum


40

Arbaharum


50

Hamissum


60

Settum


70

Sabah orurn


80

Samanium


90

Tessarum


100

Mia


357

Sellesa mia ua sabah ua hamissun


2 -PALAVRAS


AFFENDI

SENHOR, CAVALHEIRO.


AIUÁ

SIM!


AHLAM

OI (VOCÊ)


AISE




AL ABASTRO

PARTÍCULAS FINAS - MINERAL GIPSITA


AL CÁHIRA

O CAIRO?


AL HÁZ




ANAA / ANA

EU


ANA BITERÔR

EU VOU EMBORA.


ANA MICHA ÁISE




ANA MICHA ÁRAF

EU NÃO ENTENDI


ANA MICHA CALÊMA




ANDINA




ARABIA MUTÁHDA




ÁRAF

ENTENDER


ATINI




BACXIX

GORJETA


BAD BÚCRA

DEPOIS DE AMANHÃ


BENTTI

MOÇA - MENINA


BADEM ANA BUGULA ENTA

DEPOIS EU FALO COM VOCÊ


BARD

FRIO


BIHAIR AI HAMBDULÉ BIHAIR

VOU BEM GRAÇAS A DEUS


SCHUCRAM

VOU BEM OBRIGADO


BÚCRA

AMANHÃ


BUGÚLA

FALAR


CAFAH

PERTURBAÇÃO MONOTONIA DO DESERTO


CADEXI MASSARI

QUANTO CUSTA?


CALÊMA




CHARMÚTA




CHÔFITI!

OLHE


CHÔFTI

VEJA, OLHE


CHUAI CHUAI!

MAIS OU MENOS!


CHUAIA

MAIS OU MENOS


CHUCRÁN

OBRIGADO


CÔZA / CÔSSI

VAGINA


DUB

URSO


ED EL MILAD

DIA DE NATAL


EJESMAQUÊ

COMO VOCÊ SE CHAMA?


EL SIIETA

INVERNO E SUAS TEMPESTADES DE AREIA


EL SHARITA

RUA OU AVENIDA


ENTA

VOCÊ


ENTA QUAIS

VOCÊ ESTÁ BEM?


ENTI




ESSÉD

LEÃO


FALLAH ou FELLAH

CAMPONÊS


GHEROOB

O PÔR DO SOL


GEZIRA

ILHA


HAMBULALÁ




HÂMIDERALÁ

GRAÇAS A DEUS!


HABIB

QUERIDO


HANZIRA.

CARNE DE PORCO


HARAMA.

LADRÃO


HARÂME

LADRÃO


HARLAM MASSALAMM

SEJA BEM VINDO


HAXIXE

DROGA


HOMOS

GRÃO DE BICO
HOMOS TIHINI ÍTAL-LIKA PASTA DE GRÃO DE BICO ATÉ A VISTA
GLI, IGLI RÁPIDO!


JAMBURIA / ZAMBURA

CLITÓRIS


KABID

FÍGADO


KATÉBA

LIVRO (SINGULAR)


KIBIR

GRANDE?


KITÁBUKA

SEU LIVRO { TEDRIB = EXERCÍCIO }


KITÁBII

MEU LIVRO


LÁLA

NÃO?


LÉE

NÃO!




NÃO


MAIA

ÁGUA


MAFISH

ACABOU


MAFICHI

ACABOU!


MARA

MULHER


MAGINÚN

LOUCO?


MANIÚCA

TA FERRADO


MASSÁRI

DINHEIRO


MALT

MORRER


NAMA CARINE

DORMIR


MANGARÍA

COMIDA


MASSALAMA

ATÉ LOGO, ADEUS!


MICHIQUAIS

MUITO RUIM


MICHA

RUIM


MUXAÁRAF.

NÃO ENTENDI


NEMERE

TIGRE


NIK NIK

FAZER AMOR


QUÁIS

BOM


QUAIS QUITIR

MUITO BOM


QUE FALAI-IE

COMO VAI?


QUIF HÁLA

COMO VAI?


QUIF SARRA

COMO VAI A FAMÍLIA?


QUITTAB

LIVROS (PLURAL)


RATSS

CABEÇA


SABARRAQUEIRA

BOM DIA!( CUMPRIMENTANDO )


SABARRAMÔRA

BOM DIA! ( RESPONDENDO )


SHADOR

LENÇO COBRE ROSTO DA MULHER ÁRABE


SALAMALEICOM

(SAUDAÇÃO)


SALAMALINCUM

BOA TARDE!


SAMARA

PESSOA DE RAÇA NEGRA


SAQUÍNE.

FACA


SÉ QUERREM

BÊBADO


SHÃRA




STÂNA

ESPERE


TIZA

NÁDEGA


TORNEB

COELHO


TUUD

AMORA


TAÁLIHINA

VENHA CÁ


YALA

SAIA DEPRESSA, VÁ DEPRESSA!


UALEICOMASALAMM

(RESPOSTA DA SAUDAÇÃO)


XUCRAN

OBRIGADO!


ZANOBRA




ZÔBRA

PÊNIS


ZOWGA

ESPOSA


Colaboração de Alceu/Theodoro/Zouain




4.- INFLUÊNCIA ÁRABE - ALGUNS ASPECTOS DA INFLUÊNCIA DA CULTURA ÁRABE.


Os árabes trouxeram para o Brasil, a Laranja, o Limoeiro, o Arroz.

Ensinaram os ocidentais a melhor cultivar e a introduzir produtos que passaram a ser consumidos.

Alfarrobeira ( não sei o que é isso ); a oliveira.

Ensinaram a criar Cavalos; a Plantar Uvas; Figos; imensas áreas de Maçãs; a Regar; Pintar as unhas: os Contornos dos olhos; a Fazer hortas de Verduras; e Talhões de Legumes.

Trouxeram (e introduziram em nosso vocabulário) mais de seiscentas palavras na Língua Portuguesa.

Os árabes da antiguidade ainda eram famosos noutras artes, foram eles que inventaram a Álgebra; Astronomia; Matemática; os Algarismos Arábicos; o Alfabeto.

A seguir ALgumas palavras de origem árabe introduzidas em nossa língua:

Ceia; safra; cântaro; fulano (a); Azinhaga; almofada; alfinete; ou; alfinete; almofada; alcachofra; algodão; almirante; alqueire;álgebra; alcova; alfaiate; álcool; algazarra; alfândega; almoxarife; algema; algazarra; almoxarife; algema; alaúde; aldeia; alarido; alicate; algoz; alicate; alarido; almanaque; albergue; alazão; algarismo; alvenaria; alface; alcatifa; alfafa; alpargatas; alambique; alcunha; alpiste; almudi; alfazema; alquimia; alvará; alarde; alamar; alcaparra; albarda; alguidar; Albornoz; alcatrão; alvaiade; alcatraz; alecrim; alfarrábio; alcaide; alferes; algaríva; alfaia; algibeira; alicerce; aljôfar; alfenim; aljava; almeirão; alforge; almíscar; alfaroba; alfavaca; alvíssaras; almofariz.

Essas palavras são algumas das mais conhecidas, evidenciando o prefixo das palavras iniciadas por AL.

Colaboração Theodoro(TSJ)

Outras informações podem ser encontradas através dos seguintes endereços:

www.hottopos.com/collat7/houaiss.htm (artigo excelente do lexicógrafo Antônio Houaiss)

www.novomilenio.inf.br/idioma/nomundo6.htm

www.educaterra.terra.com.br/sualingua/02/02_arabe.htm

sexta-feira, 19 de junho de 2015

O JEJUM DE RAMADAN:


Importância do Ramadan: Ramadan é um mês lunar, preferido por Deus quanto aos outros meses, pois numa de suas noites revelou de uma só vez o Al-Qur´an, desde o "Painel Guardado" até o céu primeiro, o da terra, tendo a terra se iluminado com a luz de seu criador, tendo essa noite sido chamada por Deus "A Noite do Decreto". Situa-se no último terço do mês de Ramadan, por isso os Muçulmanos veneram essa noite, e velam-na em orações, preces, e cânticos e a isso está a referência do Profeta "Quem velar a noite do Decreto por fé e amor a Deus, terá perdoados todos os seus pecados passados". Deus diz no Al-Qur´an:"Mês de Ramadan, em que foi revelado o Al-Qur´an guia para a humanidade."

Não foi apenas o Al-Qur´an o revelado nesse mês, pois Deus revelou a todos os livros celestiais no mês de "Ramadan" Bendito. Disse o Profeta Muhammad: "As páginas de Abraão foram reveladas no primeiro dia de Ramadan, e o Evangelho foi revelado treze dias passados de Ramadan."

Evidenciam-se as graças do mês de Ramadan através dos importantes acontecimentos que se registraram na história dos Muçulmanos e do Islamismo. No dia dezessete de Ramadan, no segundo ano da " Hegira", Deus deu a vitória aos Muçulmanos, que em número de trezentos, sob o comando do Profeta Muhammad, sobre aproximadamente mil combatentes infiéis que vieram agredi-los na batalha de "Badr". Deus igualmente, proporcionou ao Profeta Muhammad a conquista da cidade de Meca aos vinte e dois dias do mês de Ramadan, no oitavo ano de "Higira". O Profeta entrou em Meca vitorioso e destruiu seus ídolos com suas mãos honradas, recitando o Al-Qur´an. Tendo Meca retornado ao Monoteísmo após ter sido um baluarte da " IDOLATRIA", e purificou-se com isso " A casa antiga" das impurezas e dos ídolos.

E sucederam-se os acontecimentos culminando com a denominação: "O mês da vitória" ao mês de Ramadan. O Profeta disse sobre as graças de Ramadan"Abram-se nele, as portas do Céu, fecham-se nele as portas do Inferno e acorrentam-se nele os Demônios Gigantes."

Da Obrigatoriedade de Jejum

Deus (SWT) instituiu aos Muçulmanos, jejuar no mês de Ramadan, no segundo ano da "Hegira", tornando esse Jejum um dos pilares do Islam e para esclarecer que o Jejum é um rito (adoração) antigo(a) instituída às nações anteriores Deus disse no Alcorão:

"Ó Fies, está-vos prescrito o jejum, tal como foi prescrito a vossos antepassados, para que temais a Deus."

O Jejum, no Islam é abster-se de comer, beber, sexo, e todos os desjejuns, desde a Alvorada até o pôr do sol. Não é privação a finalidade desta adoração e sim inúmeras benefícios se encontram atrás desta atitude, relacionadas com os sentidos e os sentimentos. O comportamento, a moral, deixando os maiores vestígios na conexão do relacionamento mútuo entre os indivíduos e a sociedade e como exemplo registramos parte destes benefícios.

Período do Jejum

O período do jejum obrigatório é o mês do Ramadan. O período diário do jejum começa antes da alvorada despontar e acaba logo depois do pôr do sol. Normalmente, existem calendários exatos, elaborados pelas comunidades islâmicas locais (com dados fornecidos pelos Observatórios Astronômicos dos respectivos países), indicando as horas precisas, mas na falta de tais facilidades, deverá consultar-se o relógio e as posições do Sol, assim como os jornais locais, os boletins metereológicos, etc.

O jejum de Ramadan é obrigatório para qualquer Muçulmano responsável e apto (Mukallaf). Mas também se recomenda com insistência o jejum noutras alturas, conforme as Tradições do Profeta Muhammad; por exemplo, todas as semanas à segunda e quinta-feira, alguns dias em cada um dos dois meses precedentes ao Ramadan, (Rajab e Chaaban), seis dias após o Ramadan, a seguir ao {Eíd-el-Futr}. Além disso, é sempre compensável fazer jejum em qualquer dia de qualquer mês do ano, porém nos dias de {Eíd (Festa Islâmica)} e às sextas-feiras, nenhum Muçulmano deverá jejuar. No entanto, repetimos que o único jejum obrigatório é do Ramadan, que pode durar 29 ou 30 dias, conforme as posições da Lua. Este é um dos pilares do Islam, e quem deixar de o fazer, sem escusa razoável, comete um pecado.

Sabendo o que o jejum pode fazer pelo homem, Deus ordenou, como alternativa, um jejum de três dias a quem tiver violado um juramento (É interessante notar que para expiar a violação dum juramento honesto, o culpado tem que dar comida ou roupa a dez pobres. Se isso não for possível, terá que libertar um escravo (claro que se refere à época em que ainda havia a escravatura) ou resgatar-lhe a liberdade. Se isso tão-pouco for possível, então o último recurso é o jejum de três dias (Al-Qur´an, 5ª:92 "... fará uma expiação, alimentando alguns necessitados ou equivalente a isto em jejum, para que sofra a conseqüência da sua falta.") ).

Quem deve fazer o Jejum?

O jejum de Ramadan é obrigatório para cada Muçulmano, de sexo masculino ou feminino, que reunir as seguintes condições:


Ser mentalmente e fisicamente normal, o que quer dizer gozar de boa saúde e ser apto.


Ter atingido a idade da puberdade e, que é normalmente quatorze anos. os menores de quatorze anos devem ser estimulados a iniciarem-se nesta boa prática a níveis mais simples, de maneira que, ao atingirem a idade da puberdade, estejam preparados física e mentalmente para fazerem jejum.


Estar presente no domicilio permanente ( na cidade natal), na quinta, ou na casa de negócios, etc.), isto é numa viagem de cinqüenta milhas ou mais, o crente pode suspender o jejum, na condição de mais tarde o recuperar.


Estar absolutamente seguro de que o jejum não lhe vai causar nenhuma perturbação física ou mental, a não ser as reações normais à fome e à sede.

Isenção do Jejum

As condições mencionadas excluem as seguintes categorias:


Crianças que não atingiram a idade da puberdade.


Os alienados mentais que não são responsáveis pelas suas ações. ( Estas duas categorias de pessoas são isentas do dever do jejum, sem terem obrigação de o compensarem ou substituírem.)


Homens e Mulheres que sejam demasiado velhos e fracos ficam isentos de tal dever, mas têm que oferecer, pelo menos, uma refeição média completa ou o valor equivalente por pessoa -- por dia, a um Muçulmano pobre. Esta compensação mostra que se puderem jejuar, mesmo que seja só um dia do mês, eles deverão fazê-lo e compensar o resto.


Os doentes cuja saúde possa ser gravemente perturbada pelo jejum. Estes poderão adiar o jejum, enquanto estiverem doentes, para, em data ulterior, o recuperar, à razão de um dia por cada dia perdido.


Pessoas que estão a empreender viagens de cinqüenta milhas ou mais, a contar da sua residência habitual. Neste caso, podem interromper temporariamente o jejum durante a viagem, e recuperá-lo ulteriormente, um dia por cada dia de suspensão. Mas, conforme o Alcorão, é melhor fazerem jejum se puderem e se isso não criar dificuldade extraordinárias.


Mulheres grávidas ou as que amamentam os seus filhos podem também renunciar ao jejum, se este puser em perigo a própria saúde ou a das crianças. No entanto, terão que recuperar depois, todos os dias perdidos de jejum.


Mulheres no período da menstruação (o máximo dez dias) ou no período após o parto ( o máximo quarenta dias). Nestes casos, está-lhes vedado o jejum, mesmo que queiram e possam fazê-lo. Terão que adiar, e só depois do período acima indicado, deverão recuperar os jejuns não efetuados. Deverá compreender-se que neste caso, assim como em todas as outras proibições religiosas, é fundamental obedecer a Deus e às ordens d´Ele.

O jejum em qualquer dia do Ramadan anula-se se a pessoa comer, beber ou fumar de propósito, se tiver algum contato íntimo, e se permitir que qualquer coisa entre pela boca e chegue dentro do corpo. E se isso for de propósito, sem nenhum motivo razoável, o prevaricador deverá fazer jejum durante sessenta dias seguidos ou, como segunda alternativa, dar de comer suficientemente a sessenta pobres, além de fazer jejum um dia, o que corresponde ao dia em que o jejum foi anulado.

Se a pessoa interromper o jejum, por alguma falta susceptível de interromper o jejum, este não fica anulado, continuando portanto válido, desde que a pessoa ao aperceber-se da falta, cesse de fazer aquilo que (em condições normais) poderia invalidar o jejum.

Para que o jejum de Ramadan fique completo, todo o crente deverá distrbuir uma esmola especial, chamada {Sadáqat´ul-Fitra}( Esta esmola deverá ser efetuada antes da oração de Íd, oração que serve para comemorar o fim de Ramadan, mais precisamente no dia 1º de Xaual.).

A Prescrição e o Dever de se Jejuar no Mês do Ramadam

A Descrição do Mérito do Jejum



Deus, louvado seja, disse:

"Ó crente, está-vos prescrito o jejum, tal como foi prescrito a vossos antepassados, para que temais a Deus. Jejuareis determinados dias; porém, quem de vós não cumprir o jejum, por achar-se enfermo ou em viagem, jejuará, depois, o mesmo número de dias. Mas quem, podendo cumprir este preceito, o quebrar, redimir-se-á, alimentando um necessitado; porém, se fizer isto espontaneamente será melhor. Mas, se jejuardes, será preferível para vós, se quereis sabê-lo. O mês de Ramadan, em que foi revelado o Al-Qur´an, orientação para a humanidade e evidência de Discernimento e orientação. Por conseguinte, quem de vós presenciar o novilúnio deste mês deverá jejuar; porém, quem se achar enfermo ou em viagem jejuará, depois, o mesmo número de dias".(2ª:183-185)

648. Abu Hraira (RAA) contou que o Profeta disse:

"Uma pessoa que oferece um par de qualquer coisa pela causa de Deus será chamada, de uma das portas do Paraíso:`Ó servo de Deus, esta porta é a melhor para ti!´Assim, também, uma pessoa que praticar a oração (salat) com regularidade, será, da porta da oração, chamada; e aquelas pessoas que marcharem para a jihad, pela causa de Deus, serão, da porta de Raiyan, chamadas (para entrarem no Paraíso - ou seja, será a porta do frescor). A pessoa que der esmolas será, da porta da caridade, chamada ( para entrar no Paraíso) " Abu Bakr (RAA) disse:

"Ó Mensageiro de Deus, tu que és mais querido para mim do que meus próprios pais, ouve, já sei que uma pessoa chamada ( para entrar no Paraíso), de qualquer das portas, não precisará de mais nada. Entretanto, poderia alguém, de todas essas portas, ser chamado?" O Profeta respondeu:

"Sim, e espero que tu serás um deles!" ( Bukhari e Muslim)

A Generosidade e o Oferecimento das boas Obras Durante o Mês de Ramadan. A Incrementação das Obras de Caridade Durante os Dez Últimos Dias do Mesmo.

689. Ibn Abbas (RAA) relatou que o Profeta era a pessoa mais generosa dentre todos os homens. Especialmente durante o mês de Ramadan, costumava ser extremamente generoso, pois era quando o visitava o Arcanjo Gabriel. Durante esse mês, costumava visitá-lo todas as noites, e recitar-lhe o Sagrado Al-Qur´an. Naqueles dias, a normal generosidade do Profeta aumentava muitíssimo, muito mais do que o vento impregnado de chuva. (Bukhari e Muslim)

690. Aicha (RAA) contou que quando começava os últimos dez dias do mês de Ramadan, o Profeta costumava ficar orando toda a noite, e, inclusive, despertava os membros da sua família, e se mostrava ainda mais devoto e assíduo em suas orações. ( Bukhari e Muslim)

A Proibição de se Adiantar o Jejum Antes da Entrada do Mês de Ramadan; Quer dizer, na Segunda Quinzena de Chaaban, Exceto no Caso da Continuação de um Jejum, Numa Segunda ou Numa Quinta-feira, Dando-se a Casualidade da Coincidência de Datas.

691. Abu Huraira (RAA) narrou que o Profeta:

"Nenhum de vós deverá jejuar um ou dois dias imediatamente antes do mês de Ramadan, a não ser nos casos de uma pessoa estar acostumada a jejuar nesses dias, coisa que poderá fazer em tais datas." (Bukhari e Muslim)

692. Abu Huraira (RAA) relatou que o Profeta disse:

"Não deveis jejuar quando começar a segunda metade de Chaaban." (Tirmizi)

O Mérito de se Lançar Mão da Consoada (Suhur); O Retardamento da Consoada a Não Ser Que se Tema a Entrada do Amanhecer.

693. Anas Ibn Málik (RAA) contou que o Profeta disse:

"Lançai mão da consoada (ou seja, suhur), porque há bênção nesse ato." (Bukhari e Muslim)

694. Zaid Ibn sábet (RAA) narrou:

"Certa ocasião lançamos mão do suhur com o Profeta, e logo nos levantamos para a oração da alvorada. Perguntamos-lhes qual seria o intervalo entre ambos, e nos disse:`O tempo necessário para se recitarem cinqüenta versículos (do Al-Qur´an).´" ( Bukhari e Muslim)

695. Ibn Ômar (RAA) relatou que o Profeta tinha dois mu-azinain (os que convocam à oração). Um era Bilal (RAA) e o outro era Ibn Ummu Mactum (RAA). O Profeta disse:

"Bilal, chama à oração um pouco mais cedo, quando ainda é noite. Por conseguinte, continua comendo e bebendo, até que Ibn Ummu Mactum chame."Continuou: "Na verdade, há apenas um curto intervalo entre os dois, que é quando um desce do e o outro sobe ao minarete." (Bukhari e Muslim)

O Mérito de se Quebrar o Jejum o Mais Depressa Possível Depois do Ocaso; o Que se Come ao se Quebrar o Jejum, e as Súplicas que Acompanham o Ato.

696. Abu Huraira (RAA) contou que o Profeta disse:

"Assim disse Deus, o Todo-Poderoso Senhor da Glória:`Dentre os meus servos, prefiro aquele que se apressa em quebrar o Jejum.´" ( Bukhari e Muslim)

697. Salman Ibn Amru (RAA) narrou que o Profeta disse:

"Quando alguém quebra o jejum, deve fazê-lo com uma tâmara. Se não a tiver, deverá fazê-lo com água, porque é pura, e purifica todo o organismo." (Abu Daoud e Tirmizi)

O Dever Que tem o Fiel Que Guarda o Jejum de Ponderar Suas Palavras e Seus Atos

698. Abu Huraira (RAA) relatou que o Profeta disse:

"Se uma pessoa não se abstém de mentir e de praticar atividades indecentes, Deus não deseja que se abstenha de comer e de beber." (Bukhari)

As Questões Relacionadas com o Jejum

699. Abu Huraira (RAA) contou que o Profeta disse:

"Quando algum de vós come ou bebe, por acidente, esquecendo-se do seu jejum, deve continuar o jejum até o fim, porque (comendo e bebendo por engano) significa que Deus lhe deu de comer e de beber." (Bukhari e Muslim)

700. Laquit Ibn Sabira (RAA) narrou: "Uma ocasião me apresentei perante o Profeta e lhe pedi que me informasse sobre as abluções. Disse-me:

`Faze tuas abluções devidamente, e de modo completo, e limpa as bases dos teus dedos (onde os dedos se juntam), esfregando-as com os dedos opostos; e lava bem os orifícios nasais; porém, se estás jejuando, toma cuidado sobre este particular (para que a água não entre pelos orifícios nasais).´" (Abu Daoud e Tirmizi)

701. Aicha (RAA) relatou: "Se o Profeta recebia o amanhecer num estado de impureza corporal, por haver mantido contato com sua esposa, tomava um banho e jejuava, como de costume." (Bukhari e Muslim)

702. Aicha e Um Salama (que Deus esteja comprazido em ambas) contaram: " Quando o Profeta recebia o amanhecer num estado de impureza (por haver copulado com sua esposa, e não por poluição noturna), jejuava." (Bukhari e Muslim)